Qualidade de Vida da Mulher Moderna

O Dia Internacional das Mulheres é um momento de refletir sobre os progressos realizados, convocar para a mudança e celebrar os atos de coragem e determinação de mulheres comuns que têm desempenhado um papel extraordinário na história dos seus países e comunidades.

O desempenho de diferentes funções é uma das características marcantes da mulher contemporânea. Mãe, esposa, profissional, cidadã, mulher; inúmeros são os papéis assumidos pelo público feminino desde a sua emancipação. Não basta, a pressão imprimida pela indústria da “beleza”, para o alcance de padrões estéticos cada vez mais distantes da realidade, atua como fator adjunto à sobrecarga emocional. Diante disso, o grande desafio é aprender como manter a saúde mental e, principalmente, a qualidade de vida apesar dos diversos agentes internos e externos que contribuem para o surgimento de transtornos emocionais e mentais femininos.

Muito mais que o cansaço e estresse, a múltipla jornada pode desencadear sérios problemas à saúde. Entres os casos mais comuns aparecem os transtornos ansiosos e depressivos. Como podemos ter a prevenção destes males: melhorar a qualidade de vida? Ou fazendo o reconhecimento logo nas primeiras manifestações. Apesar disso, as pessoas ainda encontram dificuldade em diferenciar o estado deprimido e a depressão. A depressão é diferente do estado deprimido. Estar somente triste não significa que se tem depressão. Até porque os sintomas da depressão interferem significativamente na qualidade de vida. Somente um especialista pode fornecer um diagnóstico preciso. Na verdade, se torna importante que a mulher reconheça que precisa de ajuda e que não pode se curar sozinha. A depressão é outra doença comum entre o público feminino. “Esta é uma desordem psiquiátrica muito mais comum do que se imaginava. Pesquisas indicam que o número de casos de depressão em mulheres é muito superior do que em homens”, afirma a Psicóloga Silvana dos Santos. 

 

Diante de tantas pressões e responsabilidades, afinal, qual o caminho para a mulher manter a qualidade de vida? Para Silvana dos Santos a mulher deve buscar reconhecer seus desejos e suas limitações. Mas se quisermos ter um bom desempenho nas atividades, um bom começo é não sermos nossos próprios carrascos. Ninguém desfruta de um estado mental favorável quando é muito duro consigo mesmo! E de que adianta “vencer na vida” ou “ser um sucesso” se não encontrarmos paz interior durante nossa trajetória? De qualquer forma, é provável que seja mais fácil alcançar o êxito sendo gentil consigo mesmo do que se cobrando a maior parte do tempo.

Dicas: Reserve momentos para apenas ser? Olhar o movimentos das nuvens, ouvir o silenciar interior, sentir o vento na face, faça uma pausa ficar consigo mesmo.

Espero ter contribuído de alguma forma com essas reflexões. Um grande abraço e paz na mente e até o próximo texto.

Silvana dos Santos

Psicóloga Clínica da Saúde e especialista em Gestão de Recursos Humanos. Coordenadora do Comitê de Saúde Mental do Município de Mercedes-Pr. CRP 08-13026.